Vencedores do “Nobel Alternativo” pedem proteção às terras dos povos indígenas

Davi Yanomami mostra carta dirigida ao ministro Sergio Moro expressando “profunda preocupação com a segurança dos indígenas” e pedindo ação urgente.

Davi Yanomami mostra carta dirigida ao ministro Sergio Moro expressando “profunda preocupação com a segurança dos indígenas” e pedindo ação urgente.
© Right Livelihood

Vencedores do “Nobel Alternativo” enviaram hoje uma carta dirigida ao Ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, expressando “profunda preocupação com a segurança dos indígenas” e pedindo ação urgente.

A carta foi assinada pela Fundação Right Livelihood e por laureados do prêmio conhecido como o “Nobel Alternativo” entre eles, o bispo do Xingu Dom Erwin Kraütler que luta há décadas junto dos povos indígenas, a ativista ambiental Greta Thunberg, a Comissão Pastoral da Terra (CPT), o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), Vandana Shiva, David Suzuki, Nnimmo Bassey e a Survival International.

A carta conjunta cita a nomeação de Ricardo Lopes Dias como Coordenador Geral do Departamento para Índios Isolados e Recente Contato da FUNAI como uma perigosa decisão. O Sr. Lopes Dias é um missionário evangélico e sua nomeação apresenta um grave risco de genocídio dos indígenas isolados – os povos mais ameaçados do planeta.

Davi Kopenawa Yanomami, também citado na carta, tem recebido graves ameaças por denunciar atividades de mineração ilegal em seu território e por lutar pela proteção de sua floresta.

Em dezembro, Davi Yanomami recebeu o prêmio Right Livelihood de 2019. Ele liderou por 20 anos a campanha de seu povo pela demarcação de sua terra que forma hoje, junto do território Yanomami da Venezuela, a maior área de floresta tropical protegida por indígenas em todo o mundo.

Davi disse: “Nós, os povos da planeta, precisamos proteger nosso patrimônio cultural, como Omame [nosso criador] nos ensinou para viver bem cuidando de nosso lugar para nossas futuras gerações continuarem a usar."

O número de ataques e assassinatos de indígenas subiu drasticamente desde a eleição do Presidente Bolsonaro. Ele “declarou guerra” contra os povos indígenas e está tentando roubar as terras indígenas para que atividades de agronegócio, mineração e outras sem o consentimento dos indígenas. Ao redor do país, os povos indígenas estão resistindo contra esses ataques e lutando para continuar a proteger seus territórios sem os quais não podem sobreviver.

Garimpeiros ilegais foram vistos perto dos Moxihatatea (Yanomami isolados). Acima, uma imagem aérea das casas comunais dos Moxihatatea.

Garimpeiros ilegais foram vistos perto dos Moxihatatea (Yanomami isolados). Acima, uma imagem aérea das casas comunais dos Moxihatatea.
© Guilherme Gnipper Trevisan/FUNAI/Hutukara

A carta pede ao ministro que garanta a segurança de Davi Kopenawa Yanomami e dos outros funcionários da Hutukara Associação Yanomami, a retirada definitiva dos garimpeiros ilegais do território Yanomami e a proteção dos direitos dos povos indígenas a nível nacional, especialmente dos indígenas isolados, mantendo a política do não-contato praticada pela FUNAI desde 1987.

O Prêmio Right Livelihood foi criado em 1980 e celebra-se anualmente para homenagear pessoas que trabalham na busca de soluções para as mudanças mais urgentes e necessárias do mundo atual.