Os Nukak

Os Nukak vivem entre os rios Guaviare e Inírida no sudeste da Colômbia.

Eles são um dos seis grupos conhecidos como povos Maku, todos caçadores-coletores nômades que vivem no noroeste das cabeceiras da bacia Amazônica.

Tradicionalmente, os Nukak vivem em pequenos grupos, entre nove e trinta pessoas, na floresta densa longe dos rios.

Eles estão constantemente em movimento, ficando apenas alguns dias em um lugar.

Devido à sua mobilidade, eles têm poucas propriedades materiais, e as que têm são facilmente transportadas.

As casas Nukak são normalmente construídas com madeiras leves e folhas de palmeiras, apenas o suficiente para fornecer um teto para pendurar uma rede debaixo.

Cada família tem seu próprio lar, utilizado para se aquecer, cozinhar, e queimar as plantas certas para manter os mosquitos afastados.

Os Nukak comem peixes, caças, tartarugas, frutas, legumes, nozes, insetos e mel.

Os homens caçam usando zarabatanas com dardos com pontas de curare, um veneno feito com até cinco plantas diferentes.

Contato

Os Nukak evitaram quase todos os tipos de contato regular com o exterior até 1988, quando um grupo de cerca de quarenta deles apareceu inesperadamente em Calamar, um povoado de colonos recém-fundado.

Apesar de eles estarem em uma área que eles consideravam como sendo seu território ancestral, a sua chegada súbita em Calamar criou uma sensação na imprensa colombiana e internacional.

Mas as consequências do contato regular foram terríveis. Nos anos seguintes, em parte como resultado das invasões de suas terras por madeireiros e plantadores de coca, cada vez mais os Nukak entraram em contato com estrangeiros e muitos foram acometidos por doenças como malária e gripe.

No total, mais de 50% de todo o grupo morreu.

Foi somente nessa época que foi revelado que missionários cristãos da polêmica Missão Novas Tribos (New Tribes Mission) tinham contatado os Nukak na década de 1970.

Ponto de Extinção

‘A sobrevivência dos nômades [Nukak] depende em garantir-lhes o uso de uma quantidade de terra que seja apropriada para o seu modo de vida.’
ONIC, COLOMBIA


Os Nukak são um dos pelo menos 32 povos na Colômbia que são considerados como sendo em ‘risco iminente de extinção’, segundo a organização nacional do país para os povos indígenas, ONIC

Esses grupos, incluindo a Wipiwi, Amorúa e Wachina, sofrem com o conflito armado interno da Colômbia, a negligência do governo, e a invasão de suas terras para a extração de recursos naturais. A 

ONIC lançou uma campanha internacional, apoiada pela Survival e outras organizações, para sensibilizar o público sobre a situação do grupo.

Cocaína

Hoje, a terra Nukak é ocupada por plantadores de coca e invadida pela violência sangrenta da guerra civil da Colômbia.

Guerrilhas de esquerda, paramilitares de direita e o exército colombiano têm tropas no território Nukak lutando pela coca, matéria-prima para a cocaína.

Como resultado, muitos Nukak foram forçados a abandonar suas casas e a procurar refúgio na periferia de uma cidade chamada San José del Guaviare. Outros Nukak foram forçados a viver sob a mira constate de armas.

Estima-se que 180 Nukak estão agora em San José, vivendo em confinamento e lutando contra todos os tipos de problemas de saúde.

Em 2006, o governo tentou mover os Nukak deslocados de volta para a floresta, mas a localização escolhida, apenas 14 km de San José, era muito pequena.

Depois de uma epidemia de gripe e o trágico suicídio de um de seus porta-vozes, Mao-be, os Nukak abandonaram a região e voltaram para San José.

A maioria dos Nukak estão desesperados para voltar para casa, mas enquanto houver uma guerra civil é muito difícil e muito perigoso retornar.