O retumbante “não” dos Dongria à Vedanta antes de sua assembléia geral anual

Os Dongria Kondh afirmam estar unidos em sua determinação de proteger as colinas de Niyamgiri das minas de bauxita da Vedanta.

Os Dongria Kondh afirmam estar unidos em sua determinação de proteger as colinas de Niyamgiri das minas de bauxita da Vedanta.

© Bikash Khemka/Survival

A gigante mineradora britânica Vedanta Resources foi humilhada na reta final para sua assembléia geral anual em Londres nesta quinta-feira após uma série de aldeias tribais na Índia votarem contra os planos da empresa para construir uma mina de bauxita em sua colina sagrada.

Assembléias (gram sabhas) estão ocorrendo nas aldeias do povo Dongria Kondh após a decisão histórica da Suprema Corte em abril de 2013 que determinou que todas as comunidades afetadas pelo projeto da Vedanta Resources devam ser consultadas – uma vitória essencial na direção do reconhecimento dos direitos dos povos indígenas em ter uma palavra nos projetos executados em suas terras.

No entanto o governo do estado de Odisha destacou apenas doze aldeias das mais de cem existentes para serem consultadas, uma política criticada por ativistas, pelo Ministro indiano para assuntos tribais e por líderes das tribos dos Dongria e dos Majhi Kondh. Os Dongria exigiram que todas as tribos afetadas sejam consultadas e estão organizando suas próprias consultas nas aldeias restantes.

Oito aldeias votaram até agora, e todas votaram unanimemente contra a mina.

A união no posicionamento dos Dongria contra a mina tem sido exaltada como corajosa, em meio à crescente intimidação e perseguição pela polícia e paramilitares desde a decisão da corte em abril. As mulheres Dongria relatam ter medo de entrar na floresta devido à intensa presença policial.

Os Dongria extraem tudo o que precisam das colinas de Niyamgiri, as quais eles veneram como o seu Deus.

Os Dongria extraem tudo o que precisam das colinas de Niyamgiri, as quais eles veneram como o seu Deus.

© Toby Nicholas/Survival

Putri, uma mulher Dongria, enviou esta mensagem para Vedanta que está à frente da AGM: ‘Niyamgiri Hill é o nosso Deus, nosso Senhor, a nossa Deusa, nosso pai, nossa mãe, nossa vida, nossa morte, nosso carne, nosso sangue, nossos ossos. Nós obtemos nossa comida, bebida e ar de Niyamgiri que sustenta nossa vida. Por isso, é nosso direito estar juntos  para proteger e salvaguardar Niyamgiri’.

Críticas também tem sido feitas à decisão do governo local pela seleção das doze aldeias. Um porta-voz dos Dongria relata que uma das aldeias consiste apenas de uma família que nem mora lá, e que novas casas estão sendo rapidamente construídas pelo governo para trazer forasteiros para algumas dessas aldeias.

As consultas seguirão até 19 de agosto de 2013, quando a decisão final sobre a mina caberá ao Ministro das Florestas e Meio-Ambiente.

Stephen Corry, diretor da Survival, declarou: ‘Apesar de enfrentar intimidação e perseguição em todas as etapas, os Dongria têm demonstrado uma determinação e coragem inspiradoras na sua resistência contra a mina da Vedanta. Esperamos que este processo marque uma mudança na Índia com relação a companhias requererem autorização dos povos tribais antes de embarcar em projetos em suas terras.’