Erui em 2012, e sua esposa Bajo fotografada logo após ser capturada em 1986

Erui em 2012, e sua esposa Bajo fotografada logo após ser capturada em 1986

© Survival

Índios Ayoreo publicamente marcaram o 25º aniversário da última caçada humana do Paraguai, na qual mais de duas dezenas de membros da tribo foram capturados, e cinco mortos.



A Missão Novas Tribos, uma organização missionária fundamentalista americana, estava intimamente envolvida na perseguição, e como resultado foi centro de uma tempestade de críticas.



O momento em que os índios isolados foram atacados foi acidentalmente gravado em áudio (arquivo mp3).


Nos meses depois da sua captura, muitos dos Ayoreo ficaram gravemente doentes, porque eles não tinham imunidade a doenças transmitidas através do primeiro contato.



Erui, um homem Ayoreo, disse à Survival International como ele e sua esposa Bajo foram arrancados de sua floresta na região do norte do Chaco, em Paraguai, na caçada humana de dezembro de 1986.



’Minha esposa era saudável quando saímos da floresta, mas ela ficou muito doente quando fomos assentados e ela estava muito triste. Dois meses depois, ela morreu. Antes, na floresta, ela não estava doente. Mas a doença que ela contraiu depois era forte e matou ela.’



Problemas de saúde continuam a assolar a tribo hoje. Um homem Ayoreo, Parojnai, que foi contatado em 1998, morreu em 2008, supostamente de tuberculose. Sua viúva, Ibore, morreu da mesma doença no ano passado.


© Survival


Embora as caçadas humanas tenham parado, o perigo do contato forçado está aumentando conforme fazendeiros desmatam a floresta que protege os índios isolados restantes.


Este mês, a Survival divulgou informações do governo confirmando a presença de Ayoreo isolados em terra que está sendo ilegalmente desmatada para criar gado.



Erui disse, ‘Eu ainda tenho família que vive na floresta, (mas) há muito desmatamento em torno de nossa terra. É muito preocupante para nós.’



O diretor da Survival International, Stephen Corry, disse hoje: ‘A tragédia pessoal do Erui é um desgosto entre as milhares de vítimas do contato forçado. A última caçada humana do Paraguai mostra o quanto violento é o contato indesejado- assim como o legado assombroso que deixa para trás, especialmente na forma de doenças devastadoras. Quantas vezes mais teremos que provar isso?’