Dia Mundial do Turismo Responsável: Survival incentiva boicote a Botsuana

Manifestantes entregam panfletos a visitantes no World Travel Market em Londres, pedindo para que boicotem o turismo em Botsuana até que os Bosquímanos sejam permitidos a viverem em paz em suas terras.
Manifestantes entregam panfletos a visitantes no World Travel Market em Londres, pedindo para que boicotem o turismo em Botsuana até que os Bosquímanos sejam permitidos a viverem em paz em suas terras.

© Sophie Pinchetti/Survival

Apoiadores da Survival International, o movimento global pelos direitos dos povos indígenas, incentivaram um boicote de turismo em Botsuana durante o World Travel Market em Londres hoje, por causa da perseguição inexorável dos últimos Bosquímanos caçadores da África.

Hoje, Dia Mundial do Turismo Responsável, manifestantes entregaram folhetos às pessoas atendendo o principal evento da industria de turismo, aonde a Organização de Turismo de Botsuana está presente com uma barraca a semana toda. O Botsuana promove ativamente visitas às terras ancestrais dos Bosquímanos na Reserva de Caça do Kalahari Central, enquanto impede a tribo de caçar, gerando fome extremo que força os indígenas a parar de morar nas suas terras.

No início do ano, o governo de Botsuana impôs uma proibição nacional de caçar sem consultar os Bosquímanos. Agora eles são acusados de “caça furtiva” porque eles caçam sua comida. Com isso, eles correm o risco de serem presos, espancados, torturados e mortos, enquanto caçadores de grande caça que pagam uma taxa são encorajados a matarem girafas e zebras em ranchos de caça privados.

O Bosquímano Roy Sesana disse, “Presidente Ian Khama e seu irmão Tshekedi decidiram banir a caça sem nos consultar. Foi uma decisão proposital para nos eliminar da Reserva de Caça do Kalahari Central por meio da fome. Eles sabem que nós dependemos da caça e eles decidiram banir a caça na reserva.”

Não há provas de que a maneira Bosquímana de caça seja insustentável.

Não há provas de que a maneira Bosquímana de caça seja insustentável.

© Philippe Clotuche/Survival

Enquanto o Presidente de Botsuana, Ian Khama, está sendo aplaudido pelas organizações internacionais de conservação, ele permitiu o fracking e recentemente abriu uma mina de diamantes em terras Bosquímanas.

Em uma entrevista ao jornal britânico The Guardian, o Presidente Khama recentemente revelou seu desdém pelos Bosquímanos. Ele falou que os Bosquímanos vivíam uma “vida muito extinta…muito retrograda”, e que eles eram responsáveis por uma “grande diminuição no número de pérdida de animais selvagens” na reserva.

Não há provas que os métodos de caça dos Bosquímanos são insustentáveis. Pelo contrário, um estudo realizado entre 1986 e 1996 revela que houve um aumento no número de algumas espécies de antílopes que são caçados por Bosquímanos.

Mais de 8,000 pessoas se comprometeram a não visitar Botsuana até que os Bosquímanos sejam permitidos a viver livremente em sua terra novamente. Diversas empresas de turismo juntaram-se ao boicote.

O Diretor da Survival, Stephen Corry, disse hoje, “Povos indígenas são retratados como atrasados e primitivos simplesmente porque suas vidas comunais são diferentes. É uma maneira de justificar o roubo de suas terras e recursos em nome de “progresso” e “civilização”. Os comentários do Presidente Khama não são novidade – eles refletem um nível de preconceito e racismo que era típico da era colonial e que deveria ter sido consignado há tempos a livros de história.”