Milhares de índios foram escravizados e dizimados durante o boom da borracha.

Milhares de índios foram escravizados e dizimados durante o boom da borracha.
© W Hardenburg

30 mil índios da Amazônia foram escravizados, torturados, violentados sexualmente e morreram de fome em apenas 12 anos, durante o boom da borracha, de acordo com um relatório histórico apresentado pelo investigador irlandês, Roger Casement, há 100 anos hoje.

Casement foi enviado pelo governo britânico para investigar crimes cometidos pela gigante empresa britânica de exploração de borracha, a Companhia Amazônia Peruana. Ele descobriu, “Os crimes praticados por muitos homens, agora a serviço da Companhia Amazônia Peruana, são do tipo mais cruéis, incluindo assassinatos, violações e flagelações constantes”.

Agentes da empresa detiveram dezenas de tribos indígenas na Amazônia ocidental para coletar borracha silvestre para os mercados europeu e americano. Em poucas décadas, muitas das tribos foram totalmente eliminadas.

Grande parte dos detalhes desse episódio horroroso foi esquecido, mas para os descendentes dos sobreviventes do boom da borracha, é impossível de ignorar a realidade da contínua ‘colheita da floresta’.

Os índios isolados, vistos em novas imagens impressionantes no mês passado, são provavelmente descendente de sobreviventes do boom da borracha, enquanto nas proximidades outra “colheita da floresta” está acontecendo em territórios de tribos isoladas. Madeireiros ilegais, impulsionados pelo elevado valor de madeiras ameaçadas de extinção, estão pressionando ainda mais seus lares na floresta remota.

Uma organização de conservação dos EUA, Upper Amazonas Conservancy (UAC), documentou acampamentos ilegais de madeiraros em áreas habitadas pelos índios isolados da tribo Murunahua no Peru apenas seis meses atrás. No entanto, segundo um comunicado do ministro do Meio Ambiente do Peru na semana passada, o governo tem registro de quase 100% de controle. “Cada árvore de mogno que é cortada hoje é geo-referenciada e controlada”.

O porta-voz da UAC, Chris Fagan, disse a Survival, ‘A declaração do ministro é 100% errada. A maioria do mogno continua a ser cortado em áreas protegidas ou em terras indígenas no Peru de forma ilegal, sem aderir a planos de gestão adequados.’

O diretor da Survival International, Stephen Corry, disse hoje, ‘Onde há dinheiro a ser feito na Amazônia, seja para cortá-la ou tomar suas riquezas enquanto a deixam em pé, tribos indígenas acabam mortas. Essa foi a história de uma centena de anos atrás, e é a história de hoje. Um século de declarações de direitos humanos e inúmeros planos elaborados para salvar a floresta, não fizeram muita diferença; eles não farão até o momento que os índios, quem são os donos das terras, sejam colocados no centro do debate. Eles provaram ao longo dos anos que eles são de longe os melhores guardiões de sua própria terra.’