Covid-19 atinge povo indígena isolado nas Ilhas de Andamão, Índia

Boa Sr, a última falante de uma das línguas dos Grande Andamanese. Ela faleceu em janeiro de 2010.

Boa Sr, a última falante de uma das línguas dos Grande Andamanese. Ela faleceu em janeiro de 2010.
© Alok Das/Survival

Há relatos que de pelo menos cinco membros do povo indígena Grande Andamanese, das Ilhas de Andamão, na Índia testaram positivo para o Covid-19. Dois deles foram internados no hospital. As Ilhas de Andamão contabilizam quase 3.000 casos confirmados de Covid e 37 mortes, em uma população de aproximadamente 400.000 indivíduos.

O povo Grande Andamanese são um pequeno grupo de pouco mais de 50 indígenas que sobreviveram à invasão britânica na década de 1850. Nessa época, esse povo somava mais de 5.000 indígenas. Eles ainda sofrem os impactos de longo prazo das doenças introduzidas por este brutal processo de colonização. A tuberculose e o alcoolismo são comuns, tornando-os particularmente vulneráveis ao Covid-19. Em abril deste ano, Licho, o último falante da língua Sare Grande Andamanese, morreu após sofrer, por anos, de vários problemas de saúde, incluindo tuberculose crônica.

Licho foi a última falante da língua Sare do povo indígena Grande Andamanese.

Licho foi a última falante da língua Sare do povo indígena Grande Andamanese.
© Anvita Abbi

A preocupação com a segurança dos outros povos indígenas das ilhas de Andamão, incluindo os Jarawa e os sentineleses isolados, também está crescendo. No início deste mês, foi relatado que cinco funcionários de apoio social que trabalham com o povo Jarawa testaram positivo para Covid-19. Enquanto isso, os caçadores continuam a invadir esse território, podendo levar o vírus a esses povos. Na semana passada, oito pescadores foram presos por entrar ilegalmente no território dos Jarawa.

As autoridades da ilha de Andamão procuraram proteger os Jarawa, restringindo o movimento na estrada ilegal que corta seu território e informando-os dos perigos do Covid. No entanto, eles continuam correndo riscos porque os funcionários de apoio social não foram adequadamente colocados em quarentena e porque os caçadores ilegais ainda estão entrando em sua floresta para roubar os animais dos quais os indígenas dependem para sobreviver.

Os Jarawa são um povo indígena nômade de caçadores e coletores, que só entraram em contato amigável com seus vizinhos em 1998. Devido ao seu isolamento, ao contato relativamente recente e ao impacto de duas epidemias de sarampo, eles também estão especialmente expostos aos perigos do coronavírus.

Os indígenas isolados Sentinelese, o povo mais isolado do mundo, são extremamente vulneráveis a doenças de fora e, durante a pandemia global, o risco de uma infecção devastadora é ainda maior. Sem um patrulhamento adequado das águas ao redor de sua ilha, eles correm o risco de entrar em contato com caçadores que pescam e mergulham ilegalmente em busca de lagostas.

Depois do grande tsunami de 2004, este indígena do povo isolado Sentinelese foi fotografado atirando flechas na direção de um helicóptero.

Depois do grande tsunami de 2004, este indígena do povo isolado Sentinelese foi fotografado atirando flechas na direção de um helicóptero.
© Indian Coastguard/Survival

A pesquisadora sênior da Survival, Sophie Grig, disse hoje: “É extremamente grave que indígenas do povo Grande Andamanese tenham testado positivo para o covid-19. Eles estarão bem cientes do impacto devastador das epidemias que dizimaram seu povo. As autoridades da ilha de Andamão devem agir urgentemente para evitar que o vírus atinja mais indígenas e para prevenir a infecção de outros povos. As águas ao redor dos Sentinelese do Norte devem ser devidamente policiadas e nenhum invasor deve entrar nos territórios de qualquer um dos povos das Ilhas sem o consentimento deles.”

O Covid-19 já atingiu povos indígenas no Brasil e no Peru, incluindo povos indígenas isolados e de recente contato da Amazônia, como o povo Arara da Terra Indígena Cachoeira Seca do Iriri. Teme-se pela segurança dos povos isolados dessa região incluindo um grupo de 10 indígenas isolados que apareceram em uma comunidade indígena no Acre, no início deste mês.